“A cidade”

Esta foi a cidade que me viu nascer. Uma cidade pela qual nutro imenso carinho e que me empolgava sempre que ouvia o nome, em criança.

Chama-se Funchal, o seu nome deriva da planta “funcho” e, durante muitos anos, foi a única cidade da Madeira. Por isso, os mais idosos ainda a tratam carinhosamente por “A cidade”.

Já contei esta história aqui no blogue, no post sobre a Feira do Livro (podem consultar clicando aqui), mas vou repeti-la visto ser uma das memórias mais vivas da minha infância. Ainda não sabia ler nem escrever mas, sempre que ia ao Funchal tinha de comprar um livro.

Muitas vezes queria até levar mais do que um, mas o contrato entre mim e a minha mãe era que podia levar um livro de cada vez. E lá ficava eu, numa livraria que já não existe, imenso tempo a ponderar bem a escolha final, visto que era uma decisão muito importante para mim.

Mas na memória tenho também muitos passeios na marina ou na rua Fernão Ornelas (a mais movimentada da cidade) e de adorar o movimento. Na altura parecia-me uma cidade muito grande e movimentada. Neste momento tenho noção do quanto é pequena em relação às maiores cidades europeias.

Mas ainda assim é especial. O Funchal tem a forma de um anfiteatro e é considerado uma das melhores cidades para passar o Réveillon, pois o espetáculo de fogo de artifício é um dos melhores do mundo.

No Natal é das cidades mais acolhedoras que já conheci e o espírito natalício está em todo o lado. Ser uma cidade pequena tem essa vantagem, a concentração de toda a decoração e de todas as atividades.

Por isso, considero ser uma ótima cidade para visitar e desfrutar para quem ainda não conhece. Para matar saudades, estive a passear e a tirar algumas fotografias pela cidade, que vos mostro abaixo. Espero que gostem!

Ed9Ed3Ed4

Ed7Ed2Ed1Ed6Ed8

Tudo a correr bem por esse lado, e sejam felizes 😊

Natal na Ilha

Chegou a altura mais esperada do ano! Apesar de o Natal não ter vindo para ficar, a verdade é que já chegou e nota-se o espírito natalício espalhado por todo o ar. Não conseguem sentir até o cheiro a Natal? Eu sinto, e sabe-me muito bem.

Esta é a altura em que, geralmente, as pessoas deixam-se invadir pelo espírito e por este sentimento natalício, que é difícil de descrever mas que é tão bom e acolhedor. E o mundo torna-se melhor. Ou pelo menos parece que se torna melhor. Em qualquer canto ouve-se música, veem-se luzes e fica tudo mais colorido.

A minha experiência no Natal sempre foi muito boa. Mais do que do dia de Natal, o que mais gosto é a passagem do dia 24 para o dia 25 de dezembro. Esta é a festa da família e com uma família enorme como a minha e muito unida, era difícil de não aproveitar este momento com imensa intensidade.

Na Madeira vive-se muito esta época, pois o facto de ser um ambiente mais pequeno, apela bastante à união e os madeirenses são, por tradição, muito acolhedores, o que se evidencia, ainda mais, em ocasiões especiais como esta.

Para a véspera de Natal escolhi este blazer desportivo vermelho, cor que mais combina com esta altura do ano, e conjuguei-o com umas calças de ganga e com uma camisa branca, para que o foco do outfit fosse o blazer. Para torná-lo mais arrojado acrescentei uma écharpe azul, e aproveitei para tirar algumas fotos:

Ed5Ed7Ed6

Ed3Ed2Ed1Ed8

E o vosso Natal, como foi? Comentem em baixo!

Tudo a correr bem por esse lado, e sejam felizes 🙂