Retrospetiva de 2018

2018 foi um ano muito intenso. Acho que é esta a palavra que define melhor o ano. Comecei este último ano ao lado da minha família, o meu porto seguro e as pessoas que me dão mais estabilidade. Depois do belíssimo espetáculo de fogo, acabei a noite ao lado de amigos da Madeira. Não podia ter começado melhor, com pessoas que tanto gosto e, um ano depois, decidi rever momentos importantes de 2018.

Para começar, deixo-vos um vlog para verem como se passa o réveillon na Madeira, gravado no dia 31 de dezembro de 2017 e 1 de janeiro de 2018:

Nos primeiros dias de janeiro esteve muito bom tempo cá na ilha, por isso fui dar um mergulho logo no dia 3 para matar as saudades de nadar, atividade que gosto muito. Voltei a Lisboa em meados do mês, matei saudades de vários amigos que também gosto muito e gravei o vídeo das 21 curiosidades sobre mim (podem ver abaixo).

Iniciei fevereiro como capa de revista da edição de fevereiro da Revista Fiesta, a revista da vida social madeirense. Apresentei o carnaval na minha terra Natal, iniciei o último semestre da licenciatura e fui passear e tirar fotos no Porto.

Março foi dos meses que mais gostei. Aproveitei ao máximo a 50ª edição da ModaLisboa, apareci em várias revistas e em vários canais e vi um dos meus outfit´s ser considerado pelo jornal “O Observador” como um dos melhores look´s desta edição da ModaLisboa.

Em abril gravei um dos trabalhos que mais gostei de gravar: a Pide da Moda. Em breve lançarei os bloopers deste trabalho que tanto me diverti, tanto durante o processo de gravação, como de edição e montagem. Neste mês levei trouxe também para conhecer uma amiga que gosto muito: a Júlia Orige, que ficou grande fã da “Pérola do Atlântico”. Comecei a estagiar como jornalista Rosa no Correio da Manhã e CMTV, estágio que durou até o final de junho.

Maio foi, talvez, o mês mais difícil, tanto a nível pessoal como profissional. Recebemos a Eurovisão em Portugal e fiz várias entrevistas relacionadas com o tema. Estive presente nos Globos de Ouro (admito que gostei imenso de passar na Passadeira Vermelha e de sentir o barulho dos flashes das máquinas fotográficas e o calor dos holofotes), vi acabar uma relação que durava há alguns meses e finalizei a licenciatura.

Realizei um sonho em junho: fiz televisão pela primeira vez, como repórter do “Flash Vidas”. Lancei o programa “a Manhã do Júlio”, que me diverti imenso a gravar, tive um esgotamento, fiz praia na Costa da Caparica, pela primeira vez, e terminei o estágio. Acho que nunca precisei tanto e férias como neste mês.

View this post on Instagram

Ontem foi assim. E hoje há mais 😊

A post shared by Luís Duarte Sousa (@luisduartedesousa) on

Aproveitei o início de julho para recuperar dos meses intensos que antecederam este mês, passei uma semana em Barcelona (podem ver o post sobre Barcelona clicando aqui), cidade que gostei muito, regressei à Madeira, fiz uma pequena cirurgia, sangrei da boca durante duas semanas devido à mesma, lidei com a hipótese de poder ter leucemia (mas felizmente foram apenas efeitos do esgotamento) e completei os 22 aninhos.

Agosto foi o mês menos produtivo em termos de trabalho mas mais produtivo em termos de descanso. Tirei este mês completo só para usufruir das coisas boas da vida. Estar com a família, com amigos, fazer praia, apanhar muito sol e dormir muito. Confesso que já estava mesmo a precisar de algum tempo sem fazer nada, visto que “nada” era algo que já não fazia há muito tempo.

Em setembro aproveitei os primeiros dias ao máximo visto que eram os meus últimos de férias. Confesso que tenho saudades da cor da minha pele desta altura, visto que já perdi todo o bronze de novo. Iniciei o mestrado em Cinema e Televisão, mestrado que pretendia e único a que me candidatei e vivi mais uma aventura ao lado da Júlia Orige: decidimos ir para o Porto de um dia para o outro e passámos quatro maravilhosos dias na Invicta.

View this post on Instagram

"Cadê o Porto? Aqui o Porto" 📸 @juliaorige

A post shared by Luís Duarte Sousa (@luisduartedesousa) on

Outubro foi um mês calmo. Aproveitei para escrever bastante para o blogue, adiantar trabalhos para a faculdade, e comecei a gravar “O Abismo”, uma adaptação de um texto que tinha escrito em maio. Foi também o mês da ModaLisboa e aproveitei para ver as coleções das estações seguintes.

Em novembro conheci uma cidade que gostei muito e que considero ser a minha favorita de Espanha até agora: Sevilha. Tirei muitas fotos, inclusive com um fotógrafo holandês, vim à Madeira para um casamento de uma prima que gosto muito e acabei de gravar “O Abismo”.

Dezembro foi uma mistura dos últimos três meses. Tive um pouco de tudo. Acabei vários trabalhos, lancei finalmente a curta-metragem, acabei as aulas deste semestre, diverti-me com amigos, despedi-me de uma amiga que gosto muito (que voltou para o Brasil), tive muitos jantares de família, festejei o Natal junto de pessoas que adoro e renovei energias para entrar com o é direito em 2019.

Estes foram os momentos mais marcantes do meu ano que findou. E para vocês, qual foi o momento mais marcante? Comentem em baixo!

Deixo-vos algumas fotografias do meu réveillon, espero que gostem do outfit:

Ed2Ed5Ed4Ed7Ed9Ed3Ed6Ed1

Tudo a correr bem por esse lado, e sejam felizes 😊

Estilo “Parisiense”

O frio veio finalmente para ficar!

E ainda bem, porque confesso que gosto muito mais de usar roupas de inverno do que de verão. Sempre achei que as pessoas ficam muito mais elegantes e mais estilosas com os casacões, cachecóis, camisas de manga comprida, do que com roupas mais leves. Continue reading “Estilo “Parisiense””

Bons reencontros

Boas pessoal!

Sabem aquela sensação boa de passar um bom tempo com amigos com quem já não estávamos há algum tempo, mas que quando nos juntamos é como se convivêssemos frequentemente? Continue reading “Bons reencontros”

ModaLisboa- terceiro e último dia

Boas pessoal!

O último dia de desfiles é sempre mais calmo. Toda a algazarra inicial da comunicação social, dos fotógrafos, e a grande ânsia pelas novas coleções já não se manifesta tanto. Por este motivo, é mais fácil apreciar verdadeiramente a essência do evento. Continue reading “ModaLisboa- terceiro e último dia”

Calças ‘vintage’ e t-shirt branca

Boas pessoal!

Conta-me a minha mãe que em criança não gostava que escolhessem as minhas roupas. Ainda mal sabia falar, com cerca de dois anos, e tinha ela, com a imensa paciência que a carateriza, de colocar várias opções para que eu escolhesse e combinasse (muitas vezes mal) as roupas que queria vestir. Continue reading “Calças ‘vintage’ e t-shirt branca”

Sou feito de extremos: o tudo ou nada

Sou feito de contrastes. Ou sou preto, ou sou branco. O meio termo é algo que me incomoda, como uma farpa ou uma pedra no sapato que me deixa a remoer em vários assuntos e não me deixa avançar completamente para o passo seguinte. Continue reading “Sou feito de extremos: o tudo ou nada”

Sessão na praia em… calças de ganga

Boas pessoal!!

Esta sessão já tinha sido combinada há um ano. Contudo, devido às condições meteorológicas, no dia em que íamos fotografar, não conseguimos realizá-la. O clima na Madeira é bastante instável e, mesmo vendo as previsões, é um pouco incerto. Continue reading “Sessão na praia em… calças de ganga”

Caniçal, a pequena vila onde cresci

Há alguns dias estava a tomar um café em família e uma prima sugeriu-me que escrevesse mais sobre o Caniçal, a freguesia onde estão as minhas raízes. Gostei bastante da sugestão e, por isso, além de escrever sobre o sítio, decidi descrever um pouco da minha relação com a vila. Continue reading “Caniçal, a pequena vila onde cresci”

Dei uma oportunidade ao amarelo

Nunca pensei em ter uma peça amarela no meu guarda-roupa, muito menos uma camisa. O amarelo é das cores que menos gosto, tal como o laranja e o roxo.

Há alguns dias estava a fazer compras com a minha mãe e ela sugeriu-me que experimentasse esta camisa da Zara. Gostei imenso do modelo e do tecido, o linho, mas a cor fez-me ficar reticente. Continue reading “Dei uma oportunidade ao amarelo”

Praia da Calheta e a areia importada

Acho que é da ideia geral dos “não-madeirenses” que a Madeira não tem praias de areia naturais. O que não é verdade, apesar de não ser o caso da praia de que vos vou falar hoje. Continue reading “Praia da Calheta e a areia importada”